Os jardins sicilianos de Giuseppe Tomasi de Lampedusa

Fabiano Dalla Bona

Resumo


Percorrer o jardim literário significa traçar o diagrama de um mito que fascinou artistas e escritores em todos os séculos, mas que ao mesmo tempo significa refletir sobre a história civil e cultural dos locais onde encontrou a sua atuação aquele original conúbio entre arte e natureza que distingue o espaço do jardim. A relação entre literatura e natureza que envolve o interesse e as emoções de tantos autores, convida a refletir sobre a possibilidade de ler a paisagem natural como aquela de uma composição literária. O presente arti­go trata dos jardins descritos por Giuseppe Tomasi di Lampedusa em duas de suas obras, O Leopardo e Recordações de infância. Discute-se o conceito de jardim, a tipologia dos jardins, o papel dos jardins na literatura sob o viés metodológico da crítica literária de Sicotte (2011), Nigro (2012; 1996) e Jakob (2005) e dos estudos da paisagem de Terra (2013), Roger (2009) e Assunto (1994) entre outros.


Palavras-chave


jardim; paisagem; Sicília; Tomasi di Lampedusa.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/matraga.2018.32256

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/matraga


Palimpsesto é uma publicação do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre DRJI MIAR BASE Logo University of Texas Libraries   UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB Google Acadêmico DOAJ Journal Tocs DOAJ


Licença Creative Commons

A Matraga utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.