Amar, escrever, saber de si: a questão da autorreflexividade nos diários das 'femmes de lettres' Aline De Lens (1881–1925) e Catherine Pozzi (1882-1934)

Aline Magalhães Pinto

Resumo


O tema desse artigo é a construção da autorreferência do ‘eu’ de um ser humano do gênero feminino, entendido como um proble­ma teórico e histórico da modernidade. Exploraremos, de maneira comparativa-contrastativa, os diários das femmes de lettres Aline De Lens (1881–1925) e Catherine Pozzi (1882-1934) a questão da subjetividade moderna sob signo do desvio intrínseco à diferença- resistência feminina. Buscamos nos aproximar da composição dos textos de C. Pozzi e A. De Lens para elaborar as condições em que o diário, pensado como forma literária singular e não-narrativa (autorretrato), cuja validação se encontra na construção de uma ‘verdade sincera’, pode tornar-se autorreflexivo.


Palavras-chave


Discurso autorreferencial; subjetividade; reflexividade; diários.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/matraga.2018.31484

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


e-ISSN 2446-6905 | DOI: 10.12957/matraga


Matraga é uma publicação do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

Logomarca UERJ  Logomarca Instituto de Letras  Logomarca Pós-graduação

 


Indexado em:


Licença Creative Commons
A Matraga utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.