A mão do poeta: signo, símbolo e léxico

Marcus Alexandre Motta

Resumo


Este texto busca refletir sobre a circunstância lexical da mão do poeta em dois poemas de “Fernando Pessoa” ¯ um proveniente da obra Fausto e outro do heterônimo Álvaro de Campos. A ideia de um léxico próprio ao ato simbólico da mão poética é aqui referendada pela noção de um dicionário da passagem entre a natureza e a cultura que o espera. Nesse sentido, o léxico da mão do poeta testemunha, por ilusão e ironia, o nada saber da poesia, configurando-o como singular endereço: para o outro, a linguagem. Assim, os poemas, como criaturas que são, revelam a “lexicologia incondicional” daquela mão.


Palavras-chave


signo, léxico, poemas, Pessoa.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/matraga


Palimpsesto é uma publicação do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre DRJI MIAR BASE Logo University of Texas Libraries   UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB Google Acadêmico DOAJ Journal Tocs DOAJ


Licença Creative Commons

A Matraga utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.