Mulheres, sociedade e Iluminismo: o surgimento de uma filosofia protofeminista na inglaterra do século XVIII

Anderson Soares Gomes

Resumo


No século XVIII, pensadores de diferentes áreas do conhecimento inauguraram uma nova perspectiva epistemológica para o Ocidente. Na filosofia, economia e política, entre outros campos do saber, ideias inovadoras romperam com os paradigmas do pensamento europeu. Esses conceitos revolucionários ficaram conhecidos historicamente sob o termo Iluminismo. É nesse novo panorama intelectual que surge na Grã-Bretanha um grupo de autores que pela primeira vez questiona a posição de inferioridade social na qual as mulheres se encontram. William Alexander, Mary Astell, Catharine Macaulay e Mary Wollstonecraft são alguns dos pensadores que escrevem obras de cunho protofeminista, lançando as bases de uma filosofia de emancipação e direitos iguais para as mulheres do século XVIII. A partir dos escritos de filósofos como David Hume, John Locke e Jean-Jacques Rousseau (e da crítica dos mesmos), essas vozes que advogam uma maior igualdade no tratamento da figura feminina articulam um novo posicionamento da mulher em nível histórico, social e educacional.


Palavras-chave


filosofia, iluminismo, protofeminismo.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/matraga


Matraga é uma publicação do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre DRJI MIAR BASE Logo University of Texas Libraries   UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB Google Acadêmico DOAJ Journal Tocs DOAJ


Licença Creative Commons

A Matraga utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.