A MEMÓRIA FICCIONALIZADA EM ‘HERANÇAS’ E ‘LEITE DERRAMADO’: RASTROS, APAGAMENTOS E NEGOCIAÇÕES

Marilene Weinhardt

Resumo


Na produção contemporânea que pode ser lida como herdeira do romance histórico, admitindo ou não essa filiação, conjugam- se textualidades de extrações muito diversas. Nessa pluralidade, avulta a recorrência ao discurso memorialístico. Se a presença da memória é hoje reconhecida como condição da produção literária, no caso da ficcionalização do passado histórico seu dimensionamento apresenta particularidades em decorrência de diversas formas de trânsito: entre passado individual e passado coletivo, entre acontecimentos pessoais e acontecimentos sociais, entre o lembrado porque vivido e o lembrado a partir de relatos. Esta abordagem busca perceber rastros, apagamentos e negociações dos processos da memória ficcionalizados em Heranças (2008), de Silviano Santiago, e Leite derramado (2009), de Chico Buarque. A proposta é que a memória individual figurada nas duas obras pode ser lida como reverberação da memória coletiva da sociedade brasileira no período ficcionalizado.


Palavras-chave


ficção contemporânea; ficção histórica; Silviano Santiago; Chico Buarque.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


e-ISSN 2446-6905 | DOI: 10.12957/matraga


Matraga é uma publicação do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

Logomarca UERJ  Logomarca Instituto de Letras  Logomarca Pós-graduação

 


Indexado em:


Licença Creative Commons
A Matraga utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.