A 'CONTRAINTE' COMO JOGO RETÓRICO NA POÉTICA DE OULIPO

Vinícius Carvalho Pereira

Resumo


Este artigo apresenta uma aproximação entre pressupostos formais da retórica clássica e a produção literária do grupo francês Oulipo, na década de 60. Como argumentos que sustentam tal aproximação, destacam-se a clara filiação do Oulipo aos rhétoriqueurs dos séculos XV e XVI, o uso da contrainte como procedimento estético e a dimensão de regra, inerente à retórica, transposta para os jogos formais oulipianos. Apresentam-se, para tanto, poemas oulipianos, analisados em sua dimensão imanente, como produtos de jogos verbais que fazem da retórica uma gramática da frase e do texto, da qual pode emergir o fenômeno estético.


Palavras-chave


Oulipo; jogo; retórica; regra; contrainte

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


e-ISSN 2446-6905 | DOI: 10.12957/matraga


Matraga é uma publicação do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

Logomarca UERJ  Logomarca Instituto de Letras  Logomarca Pós-graduação

 


Indexado em:


Licença Creative Commons
A Matraga utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.