O rádio que respira e floresce nas bordas das indústrias midiáticas

Marcelo Kischinhevsky, Sonia Virgínia Moreira

Resumo


A ideia de uma crise do rádio consolidou-se no imaginário coletivo nas últimas décadas, a despeito de não haver ancoragem na realidade. Se muitas rádios tradicionais AM e FM saem do ar, vendidas a igrejas eletrônicas ou novos grupos empresariais (MOREIRA, 1998; RIBEIRO, ABREU e KISCHINHEVSKY, 2011), multiplica-se a oferta de conteúdos no contexto de um rádio expandido (KISCHINHEVSKY, 2016), que transborda para novas plataformas e é consumido nos mais diversos dispositivos. O rádio vai bem, obrigado, embora algumas emissoras de rádio em ondas hertzianas estejam mal das pernas, lamentando-se da concorrência com serviços on-line e da erosão dos habituais índices de audiência, antes medidos em centenas de milhares de ouvintes por minuto.

Palavras-chave


Comunicação; rádio; radiodifusão comunitária

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/logos.2017.29582

Indexada em:Latindex . Sumarios.org . Univerciência. Doaj
Rua São Francisco Xavier, 524 -10 º Andar - Sala 10129 Bloco F - Maracanã - Rio de Janeiro - RJ
cep: 20550-013 - e-mail: logos@uerj.br