Sociologia neoestrutural e gênese organizacional: contribuições da teoria dos Netdoms ao debate sobre empreendedores institucionais

Antônio Carlos Andrade Ribeiro

Resumo


Neste artigo proponho uma leitura do tema do empreendedorismo institucional a partir da
sociologia neoestrutural de Harrison White. Argumento que essa teoria, por um lado, soluciona o problema da imersão e o problema do dissenso em torno da posição dos empreendedores institucionais em sistemas interativos. Por outro lado, leva-nos a enxergar esses atores como um tipo particular de identidade com capacidade de exercer maior controle sobre as ambiguidades que se manifestam nos campos organizacionais. Exponho os principais pontos do neoestruturalismo Whiteano e suas implicações para o estudo das instituições. Termino o artigo ilustrando a discussão teórica com dados empíricos sobre os empreendedores institucionais de uma inovação institucional. Os resultados revelaram a existência de três subtipos empreendedores, sugerindo que os recursos para agência empreendedora são desigualmente distribuídos no campo. Por fim, argumento que as habilidades dos empreendedores institucionais são transitórias e que nenhum ator individualmente é capaz de sustentar inovações institucionais.


Palavras-chave


Netdoms. Empreendedor Institucional. Gênese Organizacional. Teoria Institucional. Sociologia Neoestrutural.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/irei.2019.44212

Direitos autorais 2019 Interseções: Revista de Estudos Interdisciplinares