Jovens Transexuais: Acesso a serviços médicos, medicina e diagnóstico

Brena O’Dwyer, Maria Luiza Heilborn

Resumo


O presente estudo enquadra-se em um conjunto de pesquisas que, a partir dos anos 2000, busca analisar a transexualidade mediante a crítica à patologização de identidades de gênero que operam fora do modelo que relaciona diretamente sexo anatômico ao gênero. O objetivo principal do artigo é descrever a relação de quatro jovens trans com a medicina, diagnóstico e serviços de saúde. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com quatro jovens com idades entre 18 e 22 anos. Apresentamos uma breve historicização da definição da transexualidade enquanto patologia; descrevemos as principais ideias médicas envolvidas na criação do “Processo Transexualizador” do Sistema Único de Saúde no Brasil. Por último, pretendemos apontar como determinadas exigências morais originam-se na noção de que a expressão de gênero está ancorada, em última instância, no sexo biológico.

Palavras-chave: Gênero. Transexualidade. Serviços de saúde.


Palavras-chave


Gênero. Transexualidade. Serviços de saúde.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/irei.2018.35965

Direitos autorais 2018 Interseções: Revista de Estudos Interdisciplinares