Os Limites do “Humano”: Restos humanos em um laboratório de genética forense

Claudia Fonseca, Rodrigo Grazinoli Garrido

Resumo


Nesse artigo, tomando como universo empírico um laboratório de genética forense, seguimos a trajetória dos pequenos pedaços de tecido tirados cirurgicamente de cadáveres humanos para estabelecer um perfil de DNA. Observamos que transformar tecidos já testados em material descartável, de forma a liberar o espaço físico para novas amostras, requer um investimento de energia institucional, envolvendo saúde pública, tribunais criminais e cemitérios públicos. Ao longo do percurso, o material corporal se mostra um ator dinâmica que, no âmbito das mediações técnicas da atividade pericial, realiza uma complexa coreografia, tocando em questões quanto aos limites do que é considerado “humano”. Avançamos a hipótese de que, apesar das diferentes operações cunhadas para objetificar o material humano, transformando-o em resíduo descartável, os corpos acabam voltando para “assombrar” a produção científica de provas.

Palavras-chave: Antropologia da ciência. Materialidade relacional. Perícia. Restos humanos.

Palavras-chave


Antropologia da ciência. Materialidade relacional. Perícia. Restos humanos.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/irei.2018.35933

Direitos autorais 2018 Interseções: Revista de Estudos Interdisciplinares