O valor do tempo. Dádiva e voluntariado em Portugal em tempos de crise

Antónia Pedroso de Lima, Fernanda Maria Rivas Oliveira

Resumo


Este artigo pretende discutir o uso do tempo como acto de acção moral num contexto de crise social. A partir da análise de práticas de voluntariado e entreajuda (formal e informal) emergentes em Portugal, veremos como essas práticas assentam em racionais de dádiva e reciprocidade, e são complexos processos que congregam fatores pessoais e espirituais, afectivos, morais e utilitaristas. O atual contexto de crise em Portugal tem vindo a fomentar o crescimento acelerado de associações e de grupos de diferentes dimensões e enquadramentos, que de forma solidária oferecem tempo próprio para assegurar algumas necessidades básicas (sejam bens essenciais ou companhia) aos mais necessitados. Considerando que esses processos têm vindo a alterar profundamente a relação indivíduo-Estado, defendemos que é fundamental analisar as novas formas de dádiva na reprodução social nas economias capitalistas, e que a dádiva de tempo assume um papel central por se constituir como valor económico, moral e social.

Palavras-Chave: Cuidado. Dádiva. Voluntariado.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/irei.2015.20149

Direitos autorais