Desenvolvimentismo e inclusão política: tensões ou sinergias na implementação de grandes projetos de infraestrutura?

Roberto Rocha C. Pires

Resumo


Na última década, observou-se, no Brasil, a retomada de grandes projetos de infraestrutura, típicos do período nacional-desenvolvimentista, com relevantes impactos socioambientais e envolvendo consideráveis conflitos. O presente artigo se dedica a investigar como se dá essa retomada no contexto institucional pós-1988, concentrando-se nos efeitos da inclusão de atores políticos e da participação social sobre a implementação de duas dessas iniciativas governamentais: o projeto de transposição do Rio São Francisco e a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Enquanto, no primeiro caso, verificou-se a presença e operação de múltiplas arenas de inclusão e negociação política (como o Congresso Nacional e mecanismos de participação social), no segundo, as oportunidades de articulação com atores políticos e sociais foram muito mais restritas. A análise comparativa indicou que tais variações no grau de inclusão e participação contribuem para explicar por que, no primeiro caso, observaram-se repactuações e inovações (sinergias) e, no segundo caso, a reprodução de conflitos e obstáculos (tensões) na implementação dos projetos.

Palavras-chave: implementação. participação. burocracia.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/irei.2015.18050

Direitos autorais