As especificidades dos ambientes insulares: meio ambiente e cultura – Estudo de caso do Ecomuseu Ilha Grande – UERJ

Ricardo Gomes Lima, Cátia Henriques Callado, Gabriela Faria, Gabriela Machado Alevato, Gelsom Rozentino de Almeida, Julia Wagner Pereira, Marcos Bastos Pereira, Thereza Christina de Almeida Rosso, Wânia Clemente de Castro

Resumo


As zonas costeiras brasileiras e a mata atlântica são consideradas pela Constituição Federal de 1988 patrimônio nacional. Agregada a esta consideração, as características biofísicas e socioambientais dessas regiões possuem especificidades próprias que lhe conferem uma importância estratégica em termos de políticas públicas e desenvolvimento sustentável. Esta é a realidade da Ilha Grande, RJ. Ciente de suas peculiaridades e responsabilidades como cessionária das antigas instalações remanescentes da extinta Penitenciária Cândido Mendes, na Ilha Grande, a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) iniciou suas atividades de pesquisa e preservação dos ecossistemas da região através do Centro de Estudos Ambientais e Desenvolvimento Sustentável (CEADS). Paralelamente, promoveu ações com vista à criação do Ecomuseu Ilha Grande composto por quatro unidades: Museu do Cárcere, Museu do Meio Ambiente, Parque Botânico e Centro Multimídia. O ECOMUSEU Ilha Grande apresenta-se como um instrumento adequado ao desenvolvimento de programas, projetos e ações de preservação, pesquisa e comunicação com acentuado interesse sociocultural e ambiental. Este é o foco desse trabalho que tem por objetivo apresentar o desenvolvimento das primeiras pesquisas e ações extencionistas realizadas na região.


Palavras-chave


Meio ambiente; Cultura; Ambientes Insulares; Ecomuseu da Ilha Grande

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/interag.2010.2599

ISSN: 1519-8847 | E-ISSN: 2236-4447
Depext-SR3/UERJ