Qualidade de vida no trabalho: percepções de um grupo de acolhimento no Hospital Universitário Pedro Ernesto

Ana Cláudia Santos Chazan, Angela Machado da Silva, Camila Ramos, Fernando Chazan

Resumo


Partindo do conceito ampliado em saúde e do reconhecimento dos trabalhadores do HUPE como seus clientes internos, criou-se um grupo de reflexão sobre o trabalho em uma unidade de pacientes externos. Os objetivos foram: trocar experiências sobre situações difíceis do trabalho, refletir sobre possíveis relações com a saúde e sensibilização acerca da Política de Humanização. A metodologia compreendeu: 16 encontros quinzenais, 1h30min duração, co-coordenados por médica e psicóloga e registrados por duas estagiárias. Identificamos quatro momentos no desenvolvimento grupal: apresentação da proposta, identificação das competências, grupo como espaço seguro e avaliação. Foi apontado como positivo: poder refletir sobre a causa dos problemas que os afligem no cotidiano; a aproximação com setores afins, a percepção de que a dificuldade é de todos, não só individual. Adquiriram uma visão mais crítica, perceberam o interesse em mudanças, puderam repensar sua conduta e escutar melhor os outros. Entenderam que o objetivo final do seu trabalho é o paciente/usuário. Conclui-se que dificuldades apresentadas, como as ausências comprometeram a integração dos participantes, contudo, os objetivos de acolher, dar suporte para a reflexão sobre o trabalho e a sensibilização sobre a política de humanização foram alcançados de acordo com os relatos dos mesmos.


Palavras-chave


qualidade de vida no trabalho; saúde do trabalhador, humanização

Texto completo:

PDF


ISSN: 1519-8847 | E-ISSN: 2236-4447
Depext-SR3/UERJ