O ESPAÇO VIVENCIADO E A PAISAGEM DE VINCENT VAN GOGH: arte, experiência e conformação simbólica na tela “A Casa Amarela”.

Jean Carlos Rodrigues

Resumo


Neste artigo apresentamos um estudo elaborado sobre a tela “A Casa Amarela” (1888), do pintor holandês Vincent van Gogh criada quando o artista residia em Arles, na França. Consideramos a experiência vivenciada pelo artista holandês em Arles como um dos momentos mais marcantes de sua vida e de sua produção estética e tratamos essa tela como uma paisagem conformadora da existência do artista. Para elaborar tal estudo, nos baseamos, principalmente, (i) na abordagem da arte a partir da filosofia das formas simbólicas, de Ernst Cassirer (2005; 2011) e em considerações apontadas por Ernst H. Gombrich (2007); (ii) na discussão sobre o espaço vivenciado proposto por Bollnow (2019) e Silva e Gil Filho (2020); e (iii) em um debate sobre os significados da  paisagem como forma de expressão humana, na perspectiva de Andreotti (2007; 2013), Besse (2006), Claval (2010), Cosgrove (1998; 2000), Correa (2011). Partimos do pressuposto que a arte, como forma simbólica, estabelece uma relação entre o homem e o espaço, o qual é vivenciado por emoções e adquire expressões pelas paisagens que significam e conformam a existência do artista, no nosso caso, Vincent van Gogh. 


Palavras-chave


Vincent van Gogh; Paisagem; Formas Simbólicas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/geouerj.2022.58237



Direitos autorais 2022 Jean Carlos Rodrigues

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN: 1415-7543 | E-ISSN: 1981-9021 | JournalDOI: https://doi.org/10.12957/geouerj

Licença Creative Commons