MEMÓRIAS DE UMA EXPERIÊNCIA DE TRINTA DIAS EM MAPUTO-MOÇAMBIQUE

Marisa de Fátima Lomba de Farias

Resumo


Este artigo resultou da participação no Projeto “Práticas sociais e saberes de mulheres e homens e a produção do território rural no Distrito de Marracuene em Moçambique: viabilidade das alternativas produtivas no mundo da sustentabilidade”, desenvolvido de 2013 a 2017 e estruturado sob uma proposta interdisciplinar e interinstitucional. A minha atuação no referido projeto, no que tange ao contato direto com a população, compreendeu a experiência de permanência em Maputo-Moçambique por trinta dias. O objetivo neste texto é o de apresentar minhas impressões deste período, com o olhar voltado às mulheres e à produção de suas próprias vidas, seja material ou imaterial, por meio de uma metodologia de aproximação e de respeito às diversidades culturais e à organização do trabalho. As observações, os diálogos, os registros em caderno de campo e fotográficos ocorreram em espaços rurais e urbanos, em locais de produção de alimentos e de sua comercialização. Os resultados são indescritíveis. O que ora apresento são manifestações de conhecimentos coletivizados e demonstro, também, relevância em valorizar os aprendizados compartilhados entre os dois países de modo respeitoso, rompendo com as hierarquias impostas pelo conhecimento científico, quando nega ou exclui os saberes tradicionais e os modos de vida alicerçados em culturas díspares.

Palavras-chave


Mulheres. Trabalho. Rural e Urbano. Cotidiano

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/geouerj.2020.53707



Direitos autorais 2020 Marisa de Fátima Lomba de Farias

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN: 1415-7543 | E-ISSN: 1981-9021 | JournalDOI: https://doi.org/10.12957/geouerj

Licença Creative Commons