O IMPOSTO SOBRE TRANSFERÊNCIA IMOBILIÁRIA

Pedro Humberto Bruno de Carvalho Júnior

Resumo


O artigo debate o papel da tributação sobre a transferência imobiliária pelo ITBI no Brasil a luz da experiência internacional, analisando as suas principais características e desafios jurídicos. Apesar da arrecadação real ter triplicado em relação à última década, devido ao aumento das transações imobiliárias, aumento de alíquota e melhoria na administração tributária, muitos países alcançam indicadores de arrecadação superiores ao Brasil por possuírem maiores alíquotas (inclusive seletivas e progressivas, que são proibidas no Brasil), e principalmente uma base de cálculo ampliada que abrange veículos, aluguéis, ativos financeiros, entre outros atos jurídicos de registro e transferência. O artigo também evidenciou que o ITBI tem sido uma fonte de receitas importante em municípios pequenos com relevante setor de agronegócios, servindo como fonte de informações do comércio de terras rurais. O artigo finaliza propondo uma reforma tributária que torne o imposto progressivo, que ele possa ser usado para combater a especulação imobiliária e que ele tenha sua base de cálculo ampliada para o registro e transferência de outros ativos reais.

Palavras-chave


ITBI, imposto sobre transferência imobiliária, federalismo, municípios, reforma tributária, progressividade tributária

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/geouerj.2020.48412



Direitos autorais 2020 Pedro Humberto Bruno de Carvalho Júnior

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN: 1415-7543 | E-ISSN: 1981-9021 | JournalDOI: https://doi.org/10.12957/geouerj

Licença Creative Commons