CONFLITOS ENTRE USOS E PROTEÇÃO DE ESPÉCIES VEGETAIS NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA SERRA DE SÃO JOSÉ, MINAS GERAIS

Wanderley Jorge da Silveira Junior, Cléber Rodrigo de Souza, José Emílio Zanzirolani de Oliveira, Aloysio Souza Moura, Marco Aurélio Leite Fontes

Resumo


A Área de Proteção Ambiental Serra de São José e o Refúgio Estadual de Vida Silvestre Libélulas da Serra de São José, localizadas na região de Tiradentes-Minas Gerais, apresentam importante diversidade biológica para a conservação, distribuídas em três fitofisionomias: Cerrado, Floresta Estacional Semidecidual e Campos Rupestres. Além de protegerem legalmente o patrimônio natural, abrigam também raizeiros que detêm saberes e práticas sobre o uso de espécies vegetais extraídas nos limites das referidas áreas. Com o objetivo de compreender os conflitos estabelecidos na relação entre a conservação e uso de espécies vegetais, foram realizados levantamentos etnobotânicos por meio de turnês guiadas em três trilhas utilizadas por dois raizeiros, e aplicado questionário semiestruturado, que apontaram as espécies utilizadas, suas aplicações (passado e presente) e as partes empregadas. Concluiu-se, que os conflitos existentes se devem à extração de recursos biológicos na Unidade de Conservação de proteção integral. Todavia, podem contribuir para conservação da biodiversidade das Áreas Protegidas da Serra de São José juntamente com a da etnobotânica e a participação efetiva dos raizeiros.


Palavras-chave


Etnoconservação; Etnobotânica; Áreas Protegidas; Conhecimento tradicional; Políticas públicas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/geouerj.2020.37383



Direitos autorais 2020 Wanderley jorge da Silveira Junior

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN: 1415-7543 | E-ISSN: 1981-9021 | JournalDOI: https://doi.org/10.12957/geouerj

Licença Creative Commons