CRÍTICAS CÍVICAS AO REGIME ALIMENTAR CORPORATIVO: MERCADOS DA REFORMA AGRÁRIA EM PORTO ALEGRE, RS / CIVIC CRITICISM TO THE CORPORATE FOOD REGIME: MARKETS OF AGRARIAN REFORM IN PORTO ALEGRE, RS

Estevan Muñoz, Paulo Niederle

Resumo


As consequências da expansão do "regime alimentar corporativo" (McMichael, 2016) têm suscitado contramovimentos que conjugam uma crítica cívica, cujo fundamento encontra-se nas demandas societárias por equidade, justiça, participação social e sustentabilidade. Estes valores têm legitimado a ação de diferentes movimentos sociais que se orientam pelas bandeiras da agroecologia e da soberania alimentar. O presente artigo analisa as estratégias de construção de mercados alternativos pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no município de Porto Alegre, Brasil. A pesquisa foi realizada em 2016 e 2017, por meio de entrevistas e observação direta. Os resultados apontam, por um lado, para a expansão de inúmeras “redes alimentares cívicas” e, por outro, para a endogeneização desta crítica pelos atores dominantes, o que implica em uma complexa dinâmica de hibridização entre mercados convencionais e alternativos. 


Palavras-chave


Sistemas alimentares, Mercados, Movimentos Sociais, Agroecologia

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/geouerj.2018.33779



Direitos autorais 2018 Geo UERJ

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN: 1415-7543 | E-ISSN: 1981-9021 | JournalDOI: https://doi.org/10.12957/geouerj

Licença Creative Commons