Modernidade Urbana e Flexibilidade Tropical: as Feiras livres na cidade do Rio de Janeiro (1904-1934)

Gilmar Mascarenhas de Jesus

Resumo


A despeito de sua ausência na ampla literaturaacadêmida acerca da Reforma de PereiraPassos, as feiras-livres cariocas, criadasem 1904, podem ser tomadas como componentedaquele famoso projeto de intensa renovaçãourbana. Neste sentido, compõem suafisionomia e dinâmica revestindo-se de elementospróprios da pedagogia civilizadora dosespaços públicos da Reforma Urbana de entãoem substituição às negras quitandeiras,aos vendedores ambulantes e outras modalidadespopulares de distribuição varejista,herdadas de um indesejado passado colonial.Num segundo momento, este território daordem se refuncionaliza e é apropriado porpráticas de sociabilidade popular, cedendo àambiguidade e flexibilidade de nossamodernidade urbana.

Palavras-chave


feira-livre, modernidade urbana, territorialidade popular, espaço público, flexibilidade tropical.

Texto completo:

PDF




Direitos autorais



ISSN: 1415-7543 | E-ISSN: 1981-9021 | JournalDOI: https://doi.org/10.12957/geouerj

Licença Creative Commons