HIDROSSEDIMENTOLOGIA E CONECTIVIDADE DO RIO MACAÉ, NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL

Pilar Amadeu de Souza, Mônica dos Santos Marçal

Resumo


Doi: 10.12957/geouerj.2015.16436

 

A conectividade da paisagem é definida pela transferência de matéria e energia entre diferentes compartimentos de um sistema ambiental e pode ser analisada através de abordagens hidrossedimentológicas. O trabalho foi desenvolvido no rio Macaé, localizado ao norte do estado do Rio de Janeiro com o objetivo de apresentar, em análise espacial e temporal definida, as características hidrossedimentológicas e estabelecer padrões de conectividade longitudinal entre os ambientes fluviais. A identificação destes padrões foi baseada em análises hidrológicas (vazão e chuva) no período de 2000 a 2013, sedimentológicas (cargas de fundo e em suspensão) e geomorfológicas (morfometria e mapeamento multitemporal de feições geomórficas dentro do rio). Quatro trechos fluviais foram identificados (I, II, III e IV) com diferentes padrões de conectividades longitudinais, no que diz respeito à transferência de sedimentos: conectado, potencialmente conectado e parcialmente conectado. Os trechos fluviais II e III (médio curso do rio) apresentaram maior retenção de sedimentos, com desenvolvimento de formas deposicionais dentro do rio. Para o período analisado, o rio Macaé apresentou diferentes respostas na variação de seu comportamento, mas sem comprometer de forma acentuada a dinâmica de transporte dos sedimentos e do fluxo ao longo do rio, podendo considerar um rio que apresenta boa conectividade entre seus subambientes.

Palavras-chave


Hidrossedimentologia; Conectividade da paisagem; Conectividade Longitudinal; Padrões de Conectividade; Rio Macaé.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/geouerj.2015.16436



Direitos autorais



ISSN: 1415-7543 | E-ISSN: 1981-9021 | JournalDOI: https://doi.org/10.12957/geouerj

Licença Creative Commons