ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A LÓGICA EUROCÊNTRICA DA CIÊNCIA GEOGRÁFICA E SUA SUBVERSÃO COM A EMERGÊNCIA DE SABERES NÃO HEGEMÔNICOS

Joseli Maria Silva, Alides Baptista Chimin Junior, Almir Nabozny, Marcio Jose Ornat, Rodrigo Rossi

Resumo


doi: 10.12957/geouerj.2009.1402

 

Este artigo é fruto de reflexões realizadas sobre nossa trajetória de pesquisa no Grupo de Estudos Territoriais da Universidade Estadual de Ponta Grossa desde o ano de 2003, envolvendo trabalhos relacionados às temáticas de “espaço e gênero, sexualidades e identidades”. Nossa formação como pesquisadores que compartilham angústias e questionamentos de nosso papel na construção da ciência geográfica é aqui compartilhada. Como temos elegido grupos e temáticas pouco exploradas pela comunidade geográfica brasileira, estabelecemos duas questões que norteiam nossa exposição: 1) Quais os fundamentos da ciência geográfica brasileira, capazes de produzir invisibilidades e ausências de determinados grupos humanos? 2) Qual é o papel do pesquisador, que opera com os conceitos e métodos da ciência geográfica, na produção da visibilidade dos seres ocultados pelo padrão científico hegemônico instituído? Para tanto, realizamos uma discussão em torno do padrão eurocêntrico que marcou a geografia moderna e que influenciou a produção geográfica brasileira e, posteriormente, compartilhamos nossas opções teórico-metodológicas que nos possibilitaram construir uma geografia subversiva e plural.


Palavras-chave


Geografia; Epistemologia Feminista; Metodologias.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/geouerj.2009.1402



Direitos autorais



ISSN: 1415-7543 | E-ISSN: 1981-9021 | JournalDOI: https://doi.org/10.12957/geouerj

Licença Creative Commons