FENOMENOLOGIA DA DISTÂNCIA (E DE SUAS CONTRADIÇÕES) EM TEMPOS DE PANDEMIA

Angelo Serpa

Resumo


Pretende-se com este ensaio problematizar a noção de distância para a Geografia, em um momento de pandemia de COVID 19, que trouxe para a ordem do dia medidas de isolamento e distanciamento social para o controle da disseminação da doença nas cidades do Brasil e do Mundo. Assim, questiona-se, em um primeiro momento, a possibilidade de uma fenomenologia da distância, como uma maneira de problematizar esta noção como categoria e conceito no/para o fazer geográfico e, em um segundo momento, com base em critérios socioculturais, busca-se elaborar uma dialética da distância para o desvelar das contradições advindas da contraposição de seus aspectos materiais e imateriais. Com base em autores como Merleau-Ponty, Heidegger e Bourdieu, conclui-se que a noção de distância apresenta um efetivo potencial organizacional quando a analisamos sob um viés epistemológico e teórico, devendo-se articular diversidade e desigualdade para revelar os paradoxos e contradições engendrados pela distância em diferentes contextos e situações de cunho cultural e social.


Palavras-chave


Distância; Fenomenologia; Dialética; Distanciamento social.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/espacoecultura.2021.60712

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

 

Periódico Espaço e Cultura
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco B, sala 4.007, 4° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0343

E-mail: espacoecultura@gmail.com