Atividades de vida e diagnósticos de enfermagem na população de rua

Maria Aline Moreira Ximenes, Josiane da Silva Gomes, Francisco Marcelo Leandro Cavalcante, Nelson Miguel Galindo Neto, Joselany Áfio Caetano, Lívia Moreira Barros

Resumo


Objetivo: avaliar o desempenho das atividades de vida diárias e identificar diagnósticos de enfermagem de pessoas em situação de rua. Métodos: estudo transversal, realizado de abril a julho de 2017, com 52 pessoas. Para coleta de dados, foi utilizado instrumento fundamentado no modelo teórico de Roper-Logan e Tierney. Foram consideradas dependentes as atividades de vida com frequência igual ou superior a 40%, para inferência dos diagnósticos utilizou-se referencial de Risner. Resultados: as atividades de vida dependentes foram: trabalho e distração (92,3%), morte (88,5%), sexualidade (76,9%), sono (71,2%), manter ambiente seguro (71,2%), respirar (61,5%), eliminar (53,8%) e alimentar-se (51,9%). Os diagnósticos mais frequentes: Disposição para comunicação melhorada (96%), Desobstrução ineficaz das vias aéreas (94%), Risco de contaminação (77%) e Controle de impulsos ineficaz (73%). Conclusão: evidenciou-se que pessoas em situação de rua possuem dependência de cuidados em atividades de vida diária relacionados a aspectos fisiológicos, sociais e emocionais.

   


Palavras-chave


Teoria de Enfermagem; Diagnóstico de Enfermagem; Pessoas em Situação de Rua; Atividades Cotidianas.

Texto completo:

PDF(POR) PDF(ENG) (English)


DOI: https://doi.org/10.12957/reuerj.2021.56956