A apresentação de si de Paulo de Tarso diante dos Atenienses em seu discurso no Areópago de Atenas

Luciene de Lima Oliveira

Resumo


Ao anunciar a nova crença em sua jornada missionária, o apóstolo Paulo, antes perseguidor implacável dos seguidores de Jesus, pronunciou muitos e variados discursos, diante de públicos bastante heterogêneos, não só para difundir os seus ideais, mas também para participar de debates ou mesmo se defender de acusações religiosas e políticas que lhe iam sendo impostas. Assim é que o presente artigo buscará identificar qual a imagem, diga-se, apresentação de si que Paulo de Tarso construiu diante do seu público para obter a persuasão dos atenienses de que o “Deus Desconhecido”, a quem os gregos veneravam era o verdadeiro Deus e, somente, a essa divindade deveriam cultuar. Ressalte-se que a noção de  êthos provém da retórica de Aristóteles (ARISTOTE. Rhétorique II, 1, 1378 a), que distinguia, desta forma, phrónesis (sensatez, prudência, isto é, ter o aspecto de pessoa ponderada), areté (isto é, assumir a atitude de um homem de fala franca), eu!noia, eúnoia (boa vontade, benevolência, isto é, oferecer uma imagem agradável de si mesmo). Ora, a questão de êthos foi reformulada na psicologia social, em termos de apresentação de si, devido aos trabalhos de pesquisadores como Goffman (KERBRAT-ORECCHIONI apud MACHADO & MELLO, 2010, p. 117).


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/ellinikovlemma.2017.31480

Apontamentos

  • Não há apontamentos.