Da “jornada de lutas” ao “abril vermelho”: vestígios da ocupação do espaço midiático pelo MST

Kleber Medonça

Resumo


O presente artigo analisa uma cobertura jornalística a respeito do MST com o objetivo de propor o conceito de "ruína discursiva" para mapear as possibilidades de um ator político contestador ser capaz de pautar a cobertura jornalística, mesmo quando esta lhe é adversa. A hipótese a ser verificada é a de que o MST, ao ter suas ações de visibilidade arruinadas, promove, por sua vez, a ruína discursiva da aparência de objetividade do jornalismo. Tal intuito é alcançado na medida em que as ações dos sem-terra tornam evidente o controle discursivo desempenhado pela imprensa.


Palavras-chave


Jornalismo Político; MST; Ocupação de Terras; Análise de Discurso

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/contemporanea.2009.307

Indexada em: Latindex . Univerciência . Doaj
Rua São Francisco Xavier, 524 -10 º Andar - Sala 10129 Bloco F - Maracanã - Rio de Janeiro - RJ
cep: 20550-013 | E-mail: ppgcomdivulga@gmail.comcontemporanea.revista@gmail.com

Facebook: facebook.com/contemporanea.uerj