A vida secreta de ‘A vida secreta de Walter Mitty’ Considerações sobre vida e arte, imagem e invisibilidade, o banal e o extraordinário

Itala Maduell Vieira

Resumo


Tendo como contexto a reconfiguração da revista americana Life, referência no fotojornalismo que em 2000 deixou de circular para se tornar on-line, o enredo do filme A vida secreta de Walter Mitty (EUA, 2013) se equilibra nas tensões geradas pela ascensão da mídia on-line frente à impressa, pelo avanço tecnológico que decretou a obsolescência da fotografia analógica; pela passagem para novos regimes de visibilidade do homem comum em lugar do herói e o viés político-estético da visibilidade dos anônimos, marcado por práticas culturais e políticas; por uma reflexão sobre as representações do cotidiano. A proposta deste artigo é seguir o rastilho de considerações que o filme – um réquiem da era das revistas ilustradas e, em certa medida, da própria imprensa escrita, pelo menos do que restava de artesanal em seu processo de produção – suscita sobre cinema, fotografia, comunicação, arte, prestando-se ao debate sobre arte e vida, imagem e invisibilidade, banal e extraordinário, prosaico e poético na cultura das mídias.


Palavras-chave


arte; tecnologia; comunicação; fotografia; cinema

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/contemporanea.2014.12929

Indexada em: Latindex . Univerciência . Doaj
Rua São Francisco Xavier, 524 -10 º Andar - Sala 10129 Bloco F - Maracanã - Rio de Janeiro - RJ
cep: 20550-013 | E-mail: ppgcomdivulga@gmail.comcontemporanea.revista@gmail.com

Facebook: facebook.com/contemporanea.uerj