Modelagem de estimação da volatilidade do retorno das ações brasileiras:os casos da petrobras e vale

Carlos Alberto Gonçalves da Silva

Resumo


<doi>10.12957/cadest.2009.15749

O presente estudo examina o processo de volatilidade do retorno das ações preferenciais da Petrobras e da Vale, utilizando os modelos heteroscedásticos, no período 03 de julho de 2000 a 11 de agosto de 2008. Os resultados empíricos mostraram reações de persistência e assimetria na volatilidade, ou seja, os choques negativos e positivos têm impactos diferenciados sobre a volatilidade dos retornos, o que pode ser comprovado pelos modelos EGARCH(1,1) e TARCH(1,1). Com base no critério de raiz do erro quadrático médio (REQM),o modelo escolhido para a previsão da volatilidade das ações da Petrobras e da Vale foi o EGARCH(1,1), verificou-se a presença da assimetria da volatilidade dos retornos, ou seja, choques de “boas” ou “más” notícias causam efeitos na volatilidade desses retornos.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/cadest.2009.15749

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN on-line: 2317-4536 / ISSN impresso: 1413-9022

DOI do periódico: dx.doi.org/10.12957/cadest


Licença Creative Commons Este revista está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.