REFLEXÕES DIDÁTICO-PEDAGÓGICAS SOBRE A “ARTE DE MANDAR” NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Márcia da Gama Silva Felipe

Resumo


É incontestável a necessidade do ensino das regras gramaticais e da estrutura da Língua Portuguesa. No entanto, não menos necessário é o seu intercâmbio com aspectos culturais que influenciam na prática do falante, principalmente no âmbito do ensino do português como língua estrangeira. O estudo do Modo Imperativo é um exemplo de que essa intercessão se faz necessária, dado que seu aspecto semântico vai muito além das definições normalmente apresentadas em gramáticas tradicionais. A noção de ordem associada a esse modo verbal pode também ser demonstrada em outras construções, raramente contempladas com esse enfoque no ensino hodierno. Isso posto, o desenvolvimento deste artigo terá os seguintes objetivos: analisar a realidade do ensino do Modo Imperativo; refletir acerca de atividades linguísticas, cuja noção de ordem lhes seja subjacente e propor um tratamento semântico/semiótico para o ensino da noção de ordem e o necessário entrelaçamento Língua & cultura, cuja negligência coloca em risco todo o esforço em prol do uso proficiente da Língua Portuguesa.


Palavras-chave


Modo Imperativo; Noção de ordem; Semiótica, Cultura.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/cadsem.2018.33930

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1414-4298 | e-ISSN: 1806-9142

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.