O NARRADOR AUTORAL, O LEITOR CRIANÇA E A METAFICÇÃO EM “A MAIOR FLOR DO MUNDO”, DE JOSÉ SARAMAGO

Mariana Cortez, Felipe dos Santos Matias

Resumo


O presente artigo objetiva analisar duas estratégias estético-literárias utilizadas em A maior flor do mundo (2001), de José Saramago (1922-2010), são elas: a relação entre o narrador autoral e o leitor pretendido e o trabalho com a metaficção na literatura infantil. Ambos conceitos serão apresentados como procedimentos significativos na formação estética do leitor literário. Esta investigação será desenvolvida por meio de análise teórico-crítica do texto saramaguiano, utilizando as reflexões de Walter Benjamin (1994) sobre o narrador, de María Cecilia Silva-Díaz (2005) acerca da metaficção em obras para crianças e Peter Hunt (2010) em relação à definição e função da literatura infantil. O intuito dessa reflexão é desvendar as artimanhas do autor português contemporâneo no diálogo com a criança, um leitor inusitado em sua produção literária, e entender como uma obra da literatura infantil pode contribuir na formação de futuros leitores literários.


Palavras-chave


Narrador autoral; Formação do leitor; Metaficção; Literatura infantil

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/cadsem.2018.30981

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1414-4298 | e-ISSN: 1806-9142

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.