A INFÂNCIA EM MOÇAMBIQUE COMO LUGAR PARATÓPICO NO DISCURSO ADI BANANA LÊ

Marina Di Napoli Pastore, Ricardo Celestino

Resumo


Tomamos o discurso Adi banana lê, de Marina Pastore, como uma voz que catalisa uma das potencialidades da criança enquanto sujeito social em Moçambique. Ao colocar a criança moçambicana em um papel social distinto dos que comumente lhe são atribuídos pelo estigma eurocêntrico, o discurso projeta uma voz paratópica já que sinaliza uma nova identidade para a criança que ao longo da enunciação é posta como não legítima a agentes como a UNICEF e outros órgãos internacionais. Pela ressignificação do termo  trabalho, o discurso também explora um novo lugar para essa criança moçambicana, propondo uma espécie de nova-topia não comungada com os sistemas do capital. O trabalho não fere à liberdade da criança, mas enriquece seu senso de cidadania, seu conhecimento geográfico, entre outros aspectos. Como fundamentação teórica de base linguístico-discursiva, selecionamos a categoria de paratopia, proposta por Dominique Maingueneau e recorremos à noção de subjetivação teorizados por Judith Butler, na filosofia pós-estruturalista.


Palavras-chave


discurso; paratopia; infância; literatura; Moçambique

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/cadsem.2018.30732

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1414-4298 | e-ISSN: 1806-9142

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.