JOHN MILTON E JACQUES DERRIDA SOBRE O SIGNO DA CEGUEIRA

Luiz Fernando Ferreira SÁ, Miriam Piedade MANSUR

Resumo


As metáforas visuais do poema de John Milton, Paradise Lost,são analisadas e lidas através da perspectiva pós-estruturalista dofilósofo Jacques Derrida em relação à visão/cegueira. Derrida propõeem Memoirs of the Blind (1993) dois tipos de cegueira: a sacrificial ea transcendental. Essas cegueiras servem de ponto de partida para aleitura do poema épico de Milton. Levando-se em consideração asduas cegueiras propostas por Derrida, o objetivo desse ensaio é sugerirque o exercício da visão se submete a um processo de interiorizaçãocompatível com uma “descida para o caminho da sabedoria”como que encontrado no poema épico. Nessa operação, ocorre ocancelamento do olho físico e a inserção de um “eu que olha”(eu/olho) numa “escuridão visível”. Esse oxímoro, que une JohnMilton a Jacques Derrida, propõe o estabelecimento do olho interior(uma metonímia do “paraíso interior”) para todos os mo(vi)mentosde leitura e interpretação de textos no mundo.

Palavras-chave


John Milton, Jacques Derrida; visão; cegueira; escuridão visível

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1414-4298 | e-ISSN: 1806-9142

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.