UMA GALIZA, DOIS OLHARES: FRÍA HORTÊNSIA COMO CONTÍNUO EXERCÍCIO DA MEMÓRIA E DE RESSIGNIFICAÇÃO DO PASSADO MÍTICO GALEGO

Angélica Maria Santana BATISTA, Vivian Lacerda MARREIRO

Resumo


A narrativa “Fría Hortênsia” se estrutura de forma que haja duas histórias encaixadas como dois narradores de características diferentes. O primeiro narrador é um adolescente imerso na contemporaneidade, apaixonado por sua prima Maribel e completamente devotado aos seus encontros e desencontros amorosos. Já a segunda narradora é Fría Hortênsia, uma velha campesina cuja notoriedade era a de conhecer várias lendas e mitos autócnes e os transmitia perto de seu caldeirão em sua cozinha dia após dia. O primeiro narrador relata a sua vivência em suas férias de verão no campo e dá voz a Fría quando esta conta uma das cinco invasões de Nosa Terra.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/cadsem.2010.10356

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1414-4298 | e-ISSN: 1806-9142

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.