PELO DE HOMEM, PELE DE BICHO: MURILO RUBIÃO E A RE-CONFIGURAÇÃO DO FANTÁSTICO

Marília Westin O. Garcia, Roberto Zular

Resumo


O presente artigo, baseado na dissertação “Corpos à deriva: literatura e animalidade em Murilo Rubião”, busca apresentar outras possibilidades de leitura do fantástico. No cruzamento entre literatura e antropologia, surge o questionamento das normatividades em jogo nos contos rubianos cujo personagem animal adquire papel de centralidade, abrindo espaço para a investigação das formas de humanidade acionadas pela animalidade, colocadas aqui em posição de centralidade, bem como das suas consequências políticas para o fazer literário.


Palavras-chave


Literatura fantástica; Murilo Rubião; Animalidade; Perspectivismo.

Texto completo:

LEITURA / IMPRESSÃO


DOI: https://doi.org/10.12957/abusoes.2021.56742

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Abusões
e-ISSN: 2525-4022