A AUTORIDADE DA LEI E O ESPANTO (OU A FALTA DE) EM CONTOS DE MURILO RUBIÃO

Alcmeno Bastos

Resumo


Resumo: Estudiosos dos contos de Murilo Rubião destacam o fato de que as personagens não se espantam com a natureza absurda dos acontecimentos nos quais estão envolvidas. Este artigo propõe que se considere mais importante o fato de as personagens, independentemente de se espantarem ou não, serem submetidas à vigência de uma “lei” implacável, que provém de uma autoridade desconhecida, para quem não importa se as pessoas são “culpadas” ou “inocentes”.


Palavras-chave


Murilo Rubião; Espanto; “Lei”

Texto completo:

LEITURA / IMPRESSÃO


DOI: https://doi.org/10.12957/abusoes.2021.56740

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Abusões
e-ISSN: 2525-4022