ABALOS NO CORPO, A IMINÊNCIA DE UM MONSTRO? O CIBORGUE EM NEUROMANCER, DE WILLIAN GIBSON

George Lima

Resumo


No presente artigo investigamos de que modo o corpo das personagens funciona como condição de existência dos espaços que são dados a ver na obra literária Neuromancer, escrita por Willian Gibson. Por outro lado, notamos que o status dos espaços depende do corpo, que, por sua vez, é determinado por esses espaços, os quais fazem com que a esse corpo sejam associadas instâncias que fogem ao que trivialmente chamamos de natural. Nesse “entre lugares” dos espaços, vemos a iminência fantástica do corpo ciborgue, convergindo matéria orgânica com o maquínico, e, dessa forma, configura-se o que parece ser uma espécie de monstruosidade. Para realizarmos essa leitura, utilizamos algumas noções postuladas por Michel Foucault (2013b) em torno da literatura enquanto ser de linguagem, e outras postuladas também por Foucault (2001) e por Jacques Derrida (1971) sobre a monstruosidade de acordo com o domínio jurídico-biológico.


Palavras-chave


Ciborgue; Ciberespaço; Corpo; Neuromancer

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/abusoes.2019.38487

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Abusões
e-ISSN: 2525-4022