SAGRADO, DE TOMÁS ELOY MARTÍNEZ: FIGURAS E MITOS REALISTA MARAVILHOSOS

Luciana Mazzutti, Andre Mitidieri

Resumo


Nesta investigação, estabelecemos um diálogo entre essa obra literária e a escrita autobiográfica, crítica e jornalística do mesmo autor, verificando a comunicação que firma com seus possíveis leitores. Destacamos a imbricação que o ficcionista argentino arquiteta ao relacionar a cidade argentina à personagem principal do romance em análise, autenticando o que afirmam, em jornais e publicações argentinos, outros intelectuais de grande porte. Também observamos que a narrativa, entendida como estória ou fábula, configura seus elementos de caráter realista maravilhoso a partir da espacialização ficcional da cidade de Tucumán e na órbita de sua personagem Bío. Esse protagonista, cujo nome intitula o primeiro capítulo da obra literária em estudo, torna-se representativo de uma sociedade repleta de tabus, mitos e tradições. Consideramos, neste ponto da pesquisa, a reterritorialização que, na concepção de Canclini (2003), completa um dos processos responsáveis pela hibridação. Nesse sentido, a personagem principal, em contato com outras “localizações”, “relocaliza-se” e ressignifica bens simbólicos, sem desconsiderar a herança tucumana.


Palavras-chave


Insólito. Real Maravilhoso. Realismo Maravilhoso.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/abusoes.2019.37604

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Abusões
e-ISSN: 2525-4022