O CASTELO DE ANDRÉ BRETON: O FANTÁSTICO E O MARAVILHOSO NO SURREALISMO

Marta Dantas Silva

Resumo


A aventura surrealista é aquela da busca pela liberdade; ela não deve ser tomada como um fim em si mesma, mas como um ponto de partida para o homem, uma iniciação que pretende devolver ao homem tudo aquilo que o império da razão e o reinado da lógica nos fez perder; em outras palavras, o Surrealismo se propõe a reencantar a vida. Para tanto, propõe arrancar o homem de si mesmo e recuperá-lo naquilo que nela há de mais profundo e obscuro e despertá-lo para a experiência singular do Amor e da Poesia, numa realidade revelada por meio da descoberta do seu ser múltiplo e da afirmação de sua inquietude. Nessa aventura, guiada e dinamizada por três vetores capitais ─ o amor, a poesia e a liberdade ─, a imaginação é a grande protagonista que ora se reveste de fantástico e que descobre o maravilhoso.  Destarte, esse artigo visa apresentar como a liberdade, o fantástico, a imaginação e o maravilhoso estão intrinsicamente ligados e, ao fazê-lo, esclarecer a própria noção surrealista do maravilhoso.

DOI: 10.12957/abusoes.2017.30314


Palavras-chave


Surrealismo; literatura; fantástico; maravilhoso

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/abusoes.2017.30314

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Abusões
e-ISSN: 2525-4022