NOS SUBSOLOS DA ÓPERA: UMA REFLEXÃO TEÓRICA ACERCA DO FANTÁSTICO NA NARRATIVA O FANTASMA DA ÓPERA, DE GASTON LEROUX

Jhonatan Rodrigues Peixoto da Silva, Ana Cristina dos Santos

Resumo


O presente artigo possui o escopo de realizar algumas ponderações acerca da narrativa O fantasma da ópera (1911), de Gaston Leroux. Compenetra-se em discussões estritamente teóricas ao apresentar-se a teoria do Fantástico, concernente à literatura, sob as perspectivas teóricas de dois dos mais insignes estudiosos deste eixo temático: David Roas (2014) e Tzvetan Todorov (1980), com o intuito de demonstrar as confluências e discrepâncias entre um e outro autor. Também há uma exposição sumária da obra literária O fantasma da ópera a fim de contextualizar o leitor que não tenha lido o romance.   Encerra-se o ensaio em uma reflexão minuciosa sobre o estatuto fantástico/maravilhoso na obra supracitada, partindo da premissa, respaldada pelos argumentos de Roas e Todorov, de que, para ser literatura fantástica, é necessário que haja a presença de um elemento sobrenatural que porá em dúvida a percepção da realidade do leitor.

DOI: 10.12957/abusoes.2017.30084


Palavras-chave


Teoria da Literatura; Literatura fantástica; O fantasma da ópera

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/abusoes.2017.30084

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Abusões
e-ISSN: 2525-4022