FACES DA BIFOBIA DENTRO (E FORA) DA COMUNIDADE LGBTQIAP+: reflexões a partir de narrativas de pessoas bissexuais

Beatriz Fragoso Cruz, Maria Lúcia Lima, Larissa Carneiro

Resumen


O artigo buscou investigar as diferentes manifestações da bifobia, sobretudo no interior da comunidade LGBTQIAP+. Para tanto, adotou-se a pesquisa narrativa, através de entrevistas não-estruturadas com seis pessoas bissexuais, cujos relatos foram submetidos à análise de conteúdo. Os resultados apontam que a bifobia se apresenta principalmente na hipersexualização de bissexuais e na pressão para que escolham uma orientação sexual “definitiva”. A população bi enfrenta dificuldades para inserir-se na comunidade LGBTQIAP+, já que suas práticas afetivo/sexuais são consideradas pouco legítimas e suas experiências são invalidadas. Esse contexto de exclusão agrava sentimentos como solidão e confusão identitária. Dessa forma, a população bissexual está sujeita a uma dinâmica particular de violência que produz efeitos relevantes à saúde mental desses indivíduos.

Palabras clave


Bissexualidade; Bifobia; Monodissidência; LGBTQIAP+; Diversidade sexual



Fuentes de indización:

SciELO Brasil - Scientific Electronic Library Online

LATINDEX - Sistema regional de información en línea para revistas científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal

CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades

DOAJ - Directory of Open Access Journals

REDALYC - Red de Revistas Científicas de América Latina y El Caribe, España y Portugal

 

Patrocínios:

UERJ - Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2009-2020)

FORD FOUNDATION (2009/2010/2011)

IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasil (2012)

FAPERJ - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro, Brasil (2012/2013/2014)

CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Brasil (2013/2014/2015/2019)

CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, Brasil (2013/2017/2018)

CEPESC - Centro de Estudos e Pesquisa em Saúde Coletiva (2016)