Estudo fenomenológico sobre o tempo: a leitura de Heidegger sobre Aristóteles e Agostinho

André de Sousa Silva

Resumo


O presente texto tem como principal objetivo analisar como Heidegger interpreta e avalia a noção de tempo nas obras de Aristóteles e Agostinho. Veremos, portanto, que Aristóteles considera o tempo como aquilo que surge junto ao movimento, ou seja, que surge exteriormente ao sujeito e assim pode ser observado. Agostinho por outro lado, corta o fio condutor da compreensão do tempo a partir dos fenômenos fora do observador, e aponta que o tempo é inerente à existência humana. Destare, Heidegger apresenta a noção de tempo em Aristóteles como pré-científica, enquanto a visão de Agostinho se aproxima com maior acuidade de uma visada fenomenológica. Com efeito, ao apresentarmos e analisarmos o debate sobre o tempo nos referidos autores, possuímos como pano de fundo a gênese e a evolução do estudo sobre o tema nos primeiros anos de carreira de Heidegger (nomeadamente o período de Freiburg no início da década de 1920), apontando mesmo que de antevisão o caminho percorrido pelo filósofo até chegar à noção de temporalidade do ser-aí apresentada e profundamente debatida em sua obra capital, Ser e Tempo.


Palavras-chave


Tempo; Temporalidade; Agora; Ser-aí, Ekstático

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/ek.2021.49555

 

ISSN - 2316-4786 (on-line)

Programa de Pós-Graduação em Filosofia | Instituto de Filosofia e Ciências Humanas | Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Rua São Francisco Xavier, 524, Pavilhão - João Lyra Filho, 9 andar, Bloco F, sala 9037, Maracanã, Rio de Janeiro, RJ - Cep: 20550-013