Tempo e liberdade na filosofia bergsoniana

Rildo da Luz Ferreira

Resumo


Nossa intenção com este artigo é analisar o modo como Bergson construiu uma crítica contumaz ao tempo da mecânica em contraposição ao tempo da experiência concreta. No seu Ensaio sobre os dados imediatos da consciência Bergson mostra como o tempo da mecânica é um tempo especializado (medir o tempo equivale a controlar que o movimento de um objeto em um espaço coincida com o movimento dos ponteiros dentro do espaço que é o quadrante do relógio). Bem diferente é o tempo da experiência concreta: se a espacialidade é a característica das coisas, a duração é a característica da consciência. A consciência capta imediatamente o tempo como duração. E duração quer dizer que o eu vive o presente com a memória do passado e a antecipação do futuro. Nesse sentido, veremos como Bergson liga à ideia de duração, como característica fundamental da consciência, sua defesa da liberdade e sua crítica ao determinismo, quando este presume poder explicar a vida da consciência.


Palavras-chave


Tempo; Espaço; Duração; Metafísica

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/ek.2020.49448

 

ISSN - 2316-4786 (on-line)

Programa de Pós-Graduação em Filosofia | Instituto de Filosofia e Ciências Humanas | Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Rua São Francisco Xavier, 524, Pavilhão - João Lyra Filho, 9 andar, Bloco F, sala 9037, Maracanã, Rio de Janeiro, RJ - Cep: 20550-013