O conceito existencial de ciência:Heidegger e a circularidade do conhecimento

Fernando Antonio Soares Fragozo

Resumo


DOI: http://dx.doi.org/10.12957/ek.2012.4273

Este artigo visa reconstituir em linhas gerais a discussão proposta por Heidegger em torno do conceito existencial de ciência elaborado no curso de inverno de 1928/29 denominado Introdução à Filosofia, no qual, num nítido aprofundamento do que então fora exposto no § 69 de Ser e Tempo, são desdobrados elementos centrais referentes à atividade teórica e científica, tais como a concepção do biós theoretikós como a “praxis mais própria”, a caracterização da ciência como o “deixar-ser o ente”, a questão da mudança na compreensão de ser no projeto científico e a determinação do ente como “natureza” no surgimento da física matemática na modernidade. Por fim, trata o artigo de refletir sobre a circularidade do procedimento e das definições de Heidegger, notadamente no que tange à concepção de ciência como um modo peculiar de “deixar-ser o ente” a partir de uma projeção prévia, e no que se refere à caracterização do ser-aí científico em sua diferença com o ser-aí pré-científico.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/ek.2012.4273

ISSN - 2316-4786 (on-line)

Programa de Pós-Graduação em Filosofia | Instituto de Filosofia e Ciências Humanas | Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Rua São Francisco Xavier, 524, Pavilhão - João Lyra Filho, 9 andar, Bloco F, sala 9037, Maracanã, Rio de Janeiro, RJ - Cep: 20550-013