Tonalidades afetivas fundamentais e o deslocamento do humano em Heidegger

Rodrigo Amorim Castelo Branco

Resumo


A partir do pensar do outro princípio em Heidegger, a tentativa neste texto é instaurar uma relação entre tonalidades afetivas (Stimmungen) e o deslocamento do homem da zona do ente à dimensão do seer. Para tanto, refletimos sobre a transição ontológica que retira este homem do mundo das representações técnicas e o insere na dimensão da verdade originária, a fim de demonstrar a sua real condição existencial na qual sempre está situado: condição de finitude. As meditações fenomenológicas de Heidegger revelam a situação indigente na qual todo e qualquer ente humano está. Indigência, contrária a qualquer juízo negativo, significa o reconhecimento do ser-aí (o ente deslocado) de que a sua existência é fundamentada pelo acontecimento abissal do seer. Por outro, o esquecimento dessa verdade lança o homem na ausência de indigência, isto é, na falta de consciência de pobreza e finitude, uma vez que se autodeclara fundamento de si mesmo. Nesse sentido, podemos dizer que tal esquecimento é o que caracteriza o pensamento do primeiro princípio no Ocidente.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/ek.2020.39841

 

ISSN - 2316-4786 (on-line)

Programa de Pós-Graduação em Filosofia | Instituto de Filosofia e Ciências Humanas | Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Rua São Francisco Xavier, 524, Pavilhão - João Lyra Filho, 9 andar, Bloco F, sala 9037, Maracanã, Rio de Janeiro, RJ - Cep: 20550-013