Intuição e Conhecimento em Sartre

Rodrigo Benevides Barbosa Gomes

Resumo


Em O Ser e o Nada: Ensaio de Ontologia Fenomenológica (1943), Sartre caracteriza o Para-si como a negatividade que, invariavelmente, existe em função de uma apreensão ininterrupta do Em-si. Logo, o Para-si é, originariamente, fundado pela relação de transcendência ao Em-si. Com isso, Sartre pode debruçar-se sobre o conhecimento do Para-si e defini-lo, necessariamente, como intuitivo. Em outras palavras, Sartre defende que a dedução, a indução ou qualquer outro tipo de categoria epistemológica similar não passam de instrumentos para se chegar àquilo que de fato pode ser chamado de conhecimento, isto é, a intuição. Portanto, o presente artigo trata de refazer o percurso da discussão epistemológica sartreana que encontra-se, mais especificamente, no terceiro capítulo da segunda parte de sua principal obra fenomenológica.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/ek.2018.36227

 

ISSN - 2316-4786 (on-line)

Programa de Pós-Graduação em Filosofia | Instituto de Filosofia e Ciências Humanas | Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Rua São Francisco Xavier, 524, Pavilhão - João Lyra Filho, 9 andar, Bloco F, sala 9037, Maracanã, Rio de Janeiro, RJ - Cep: 20550-013