A Maquinação Virtual: da subjetividade egoica à subjetividade incondicionada da técnica moderna

André Sendra de Assis

Resumo


O presente trabalho discute o processo paulatino da virtualização do mundo a partir da exposição de Martin Heidegger sobre a era da técnica moderna. Para tanto, será acompanhado o trabalho do filósofo na descrição dos elementos fundamentais do pensamento moderno, a saber, o advento da subjetividade egoica e o posicionamento do mundo como pura representabilidade do sujeito, até o momento no qual ocorre a autonomização de tal esquema posicionador, para além do sujeito e do objeto, de modo a instituir o caráter essencial do mundo contemporâneo: a subjetividade incondicionada.  Acompanhando este processo, o trabalho visa trazer à tona a determinação específica de um mundo no qual tudo vira nada e, consequentemente, tudo se torna passível de ser produzido pela maquinação (Machenschaft). Neste ponto, a ciência cibernética ocupa um lugar central, pois é a partir dela que pode ocorrer, às últimas consequências, a produção de um mundo virtual.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/ek.2017.33509

 

ISSN - 2316-4786 (on-line)

Programa de Pós-Graduação em Filosofia | Instituto de Filosofia e Ciências Humanas | Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Rua São Francisco Xavier, 524, Pavilhão - João Lyra Filho, 9 andar, Bloco F, sala 9037, Maracanã, Rio de Janeiro, RJ - Cep: 20550-013