A construção da imagem do diabo na literatura infantil: uma leitura do conto "O bom diabo", de Monteiro Lobato

Yvonélio Nery Ferreira, Marília Simari Crozara

Resumo


Na obra Contos da Tia Nastácia, publicada em 1937, uma antologia de historietas populares narradas pela personagem título a pedido de Pedrinho e da boneca Emília, podemos observar o entrecruzamento dos discursos religioso e folclórico, científico e popular. Nesse livro, a criada negra desfia os contos populares aos moradores do sítio, os quais, com postura crítica e interpelativa, tornam cada vez mais tensa a relação discursiva das histórias populares ouvidas. Ao resgatar folclores e crenças, Lobato procura desmitificá-los. Assim, no conto “O bom diabo”, o amansar da maldade e a relativização da bondade se compenetram a partir da simetria entre São Miguel e o Diabo, levando-nos a pensar em que medida esses sentimentos constituem o ser humano e a sociedade ocidental. Buscaremos, portanto, mostrar como se constituem os discursos religioso e folclórico na história infantil “O bom diabo”, de Monteiro Lobato. Para isso, refletiremos sobre a formação da literatura infantil e sobre a construção do imaginário da figura do diabo na cultura ocidental.

Palavras-chave


Literatura Infantil; Discurso Religioso; Cultura Brasileira; Monteiro Lobato

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2018.33183

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - B1 - Educação
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional