OFICINA DE FANDANGO COMO EDUCAÇÃO POPULAR NA COMUNIDADE TRADICIONAL CAIÇARA – JUREIA/IGUAPE/SP

Dulcinéia de Fátima Ferreira, Paulo Cesar Franco

Resumo


Neste artigo compartilhamos uma pesquisa que realizamos na Associação dos Jovens da Jureia, Iguape, São Paulo. Nasceu da inquietação e análise em torno do modo como a lógica do capital globalizado atua sobre as comunidades tradicionais e as experiências locais, produzindo o sentimento de impotência, inferioridade, insignificância. Tivemos como objetivos: cartografar uma experiência de Oficinas de Fandango na comunidade Caiçara; compartilhar o potencial contra-hegemônico presente nessa experiência e no modo de vida dessa comunidade tradicional.  Pudemos identificar como a vida em comunidade, a prática do mutirão, a cultura tradicional caiçara, o encontro entre mestres do Fandango e jovens da Jureia, apresentam-se como uma experiência de Educação Popular e território de reinvenção da vida.

DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2017.27009


Palavras-chave


Oficina de fandango caiçara; Educação Popular; saber da experiência

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - B1 - Educação
DOI: 10.12957/teias

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional