Questões psicológicas acerca de pacientes internados em uma enfermaria de dermatologia

Marcella C. Laboissière, Mônica S. d’Escragnolle Taunay

Resumo


O artigo foi elaborado a partir da interseção entre o campo da medicina, especificamente a dermatologia, e a psicologia médica, disciplina de saúde mental aplicada à esfera do hospital geral. Os fundamentos da teoria e da clínica psicanalíticas foram escolhidos como alicerces da psicologia médica. O texto foi desenvolvido a partir de atendimentos realizados com pacientes internados na enfermaria de dermatologia. Destacamos no ano de 2014 um total de sete casos, sendo psoríase e pênfigo as duas patologias prevalentes. Optou-se pela pesquisa qualitativa, adotando o método de estudo de caso da enfermaria. O estudo de caso adquire como particularidade a escuta reservada de cada paciente, mesmo que no contexto coletivo. A proposta do trabalho é uma oportunidade para tentar responder, no tempo presente, ao desafio que é para o psicólogo estar no hospital diante do paciente que possui marcas expostas em seu corpo. A abordagem da investigação caracteriza-se por salientar a escuta do profissional de saúde mental em uma equipe multiprofissional. A oferta de tratamento da psicologia médica e o olhar singular da psicanálise sobre o sintoma operam como contribuição da psicologia para o contexto hospitalar e para o âmbito da saúde.

Descritores: Dermatologia; Psicologia médica; Psicanálise; Corpo.


Referências


Filho JM. Concepção psicossomática: visão atual. 11a ed. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2009. Capítulo 6, Experiência psicossomática num hospital de ensino – Começo; p. 111-136.

Freud S. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Vol. 18. Rio de Janeiro: Imago; 1976. Capítulo 7, Dois verbetes de enciclopédia: (A) psicanálise; p. 287-307.

Muniz JR, Chazan LF. Ensino de psicologia médica. In: Filho JM, Burd M (Cols). Psicossomática hoje. 2a ed. Porto Alegre: ARTMED; 2009. p. 49-57.

Quinet A. A descoberta do inconsciente: do desejo ao sintoma. 4a ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; 2011. Capítulo 1, Retornando a Freud com Lacan; p. 21-36.

Azulay RD. Dermatologia. 6a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2013. Capítulo 40, Psicodermatologia, Medicina Psicocutânea e Dermatologia Psicossomática; p. 716-730.

Sociedade Brasileira de Dermatologia [Internet]. Portal da Sociedade Brasileira de Dermatologia; [Atualizado 2016 20 de abril; citado em 04/jun/2015]. Disponível em: .

Foucault M. O nascimento da clínica. 7a ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária; 2011. Prefácio; p. 7-18.

Cardoso AR, Silveira DB. Que lugar? O psicanalista no hospital. Rio de Janeiro: Parthenon Centro de Arte e Cultura; 2014. Prefácio; p. 13-19.

Freud S. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Vol. 21. Rio de Janeiro: Imago; 1976. Capítulo 2, O mal-estar na civilização; p. 81-171.

Araújo C, Pinto EMF, Lopes J, et al. Estudo de caso – Métodos de investigação em educação [Internet]. Porto: Universidade do Minho, Instituto de Educação e Psicologia; [Atualizado 2008 17 de janeiro; citado em 01/jul/2015]. Disponível em: .

Conselho Federal de Psicologia [Internet]. Código de Ética Profissional do Psicólogo. [Atualizado 2005 30 agosto; citado 10/jul/2015]. Disponível em: .

Freud S. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Vol. 17. Rio de Janeiro: Imago; 1976. Capítulo 9, O estranho; p 275-314.