Políticas Editoriais

Foco e Escopo

A revista Em Pauta. Teoria social e realidade contemporânea é um veículo de divulgação científica da Faculdade de Serviço Social da UERJ, e, desde o seu 19º número, apresenta um novo projeto editorial e gráfico, condizente com normas acadêmicas e editoriais internacionais requeridas para indexação de periódicos científicos. A Revista tem 33 números publicados e consta do programa QUALIS da CAPES com avaliação A2 na área de Serviço Social, em nível nacional. Os temas de publicação da revista gravitam em torno das áreas de concentração do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social (Mestrado e Doutorado): Políticas Sociais e Trabalho.

A Revista é espaço de debate e difusão da produção acadêmica resultante de pesquisas científicas, ensaios, resenhas, traduções e expressões culturais concernentes à teoria social e realidade contemporânea. Simultaneamente é espaço de intercâmbio de idéias produzidas em diversos contextos e continentes, condizente com a precípua natureza da instituição universitária.

Nessa perspectiva, a Revista Em Pauta afirma-se como um veículo editorial profundamente sintonizado com os processos sociais que adensam a realidade nacional, latino-americana e internacional, e atento aos seus desdobramentos conjunturais. Esforça-se para contribuir com o fomento e difusão do acervo de interpretações teórico-críticas sobre o cenário atual na ótica dos sujeitos coletivos que representam os interesses do trabalho, ao tempo em que deseja impulsionar o debate e a polêmica com outras vertentes do pensamento social.

Ao integrar de forma indissociável teoria e história, a Revista inscreve-se no terreno de resistência teórica e prático-política à hegemonia do grande capital, com prevalência no cenário mundial e particulares expressões no país e no continente latino-americano.

Em um longo ciclo de tonalidade depressiva da economia mundial, cujo ônus recai predominantemente sobre os países periféricos - e no seu interior sobre o conjunto das classes trabalhadoras -, verifica-se um amplo redimensionamento das funções do Estado a serviço dos interesses dos grandes grupos industriais e das finanças. Aquela hegemonia vem resultando na radicalização e criminalização da questão social, com seu séquito de desigualdades, violências e clamores de resistências. Presencia-se o desmonte das políticas públicas universais, a restrição do emprego e correspondente ampliação do desemprego. Acoplam-se ainda a este quadro a avassaladora destruição do meio ambiente, a violação dos direitos humanos e a destituição dos direitos do trabalho conquistados ao longo da história, mediante lutas coletivas de homens e mulheres na defesa de seus meios de vida, de trabalho e de expressão política e cultural. Estes são alguns dos dilemas, inéditos ou que se metamorfoseiam sob novas formas históricas, da maior envergadura, e que desafiam a razão crítica.

Esse é o terreno sócio-histórico em que se situa o Serviço Social na atualidade, o que o instiga a travar uma ampla interlocução com as produções realizadas no seu âmbito acadêmico. Mas, também, em uma perspectiva inter ou multidisciplinar, com aquelas oriundas de áreas afins, que tenham como marco o pensamento social clássico e contemporâneo para a leitura crítica dos processos macrosocietários e suas feições particulares ligadas aos sujeitos que lhes dão vida.

A Revista da FSS/UERJ, portanto, se constitui em espaço de troca de idéias e críticas produzidas em diversos contextos e continentes, além de ser canal de debate e interlocução sobre os fundamentos, experiências e demandas da profissão. O foco de atenção da Revista está voltado, portanto, para a compreensão de determinações e contradições socioculturais que envolvem a esfera da política e o mundo do trabalho, com destaque para as lutas sociais no Brasil e nos países hispano-americanos, em seus embates por políticas públicas, liberdade e democracia. São lutas e processos que, seguramente, circunscrevem a profissão na América Latina e exigem respostas teóricas, políticas, éticas e novas formas interventivas.

 

 

 

Políticas de Seção

Artigos - Dossiê Temático

Editores
  • Patricia Trajano
  • Patricia Trajano
Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Artigos - Tema Livre

Editores
  • Patricia Trajano
  • Patricia Trajano
Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Mostra Fotográfica

Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Entrevista

Editores
  • Patricia Trajano
  • Patricia Trajano
Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Homenagem de Vida

Editores
  • Patricia Trajano
  • Patricia Trajano
Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Resenhas

Editores
  • Patricia Trajano
  • Patricia Trajano
Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares
 

Processo de Avaliação pelos Pares

A Em Pauta: Teoria Social e Realidade Contemporânea é arbitrada por pares. Todas as colaborações não encomendadas são encaminhadas à Equipe Editorial – que as submeterá ao processo de avaliação, no sistema duplo cego, a partir do parecer de dois membros do Conselho Editorial Científico, podendo ser realizado convite também a pareceristas ad hoc, a quem cabe recomendar a publicação, mantendo sigilo sobre o parecer emitido. Quando da não coincidência das avaliações, o artigo será enviado para um terceiro parecerista. A Equipe Editorial da Revista, de posse dos pareceres do Conselho Editorial Científico, reserva-se o direito de sugerir aos autores modificações, a fim de adequar os artigos e similares aos padrões da Revista Em Pauta.

Os originais enviados à Revista Em Pauta serão considerados definitivos; os não aprovados, a Equipe Editorial compromete-se a inutilizar o material, e se compromete, ainda, a enviar sempre uma resposta, positiva ou negativa, por e-mail e/ou diretamente ao(s) autor(es). Em caso de aprovação, poderão ser sugeridas modificações, sendo as sugestões encaminhadas ao(s) ao(s) autor(es) para revisão – quando couber para o mesmo número da revista, ou, quando não, para submissão; em próximo número, desde que atendidas as sugestões propostas. Em caso de recusa, não serão comunicadas as razões. Será assegurado o anonimato para os autores no processo de avaliação e aos pareceristas sobre sua avaliação, em qualquer circunstância.

 

 

Periodicidade

Semestral

 

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento.

A Revista Em Pauta: Teoria Social e Realidade Contemporânea não aplica taxas de submissão, publicação ou de qualquer outra natureza em seus processos, sendo um veículo científico voltado à comunidade científica brasileira.

 

Arquivamento

Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais...

 

Edital de Chamada

EDIÇÃO NÚMERO 41 —1º. semestre de 2018 – Volume 16

DOSSIÊ TEMÁTICO: 200 anos de Karl Marx: seu legado teórico e político


EMENTA

Um espectro ronda o Brasil, o espectro de Marx. Imerso em uma onda conservadora, o país assiste ao crescimento das forças ultraliberais e fascistas com sua violenta histeria anticomunista. Nascido há quase duzentos anos (1818), Marx, de forma espectral, segue a perturbar o sono do capital e a atormentar a alma dos reacionários aqui e ao redor do globo. Para além de fanatismos delirantes, a ameaça constante de seu pensamento se deve à constância do próprio capitalismo. A continuidade da sociedade burguesa carrega consigo a permanência da obra daquele cujo objeto de toda uma vida de investigação científica – voltada para a práxis, isto é, para uma atividade consciente e transformadora, não é escusado destacar – foi justamente a própria sociedade burguesa. Decrépito, porém resilente, o capitalismo imperialista segue em sua sanha mercantilizadora, tornando venal tudo o que existe sobre a Terra, incluindo corpos, gostos, água e, claro, a própria terra. Perseguindo cegamente a valorização do valor e salvaguardando o dogma da propriedade privada, a irracionalidade do capital obstaculiza que a cooperação humana possa assumir uma racionalidade humanista, desenvolvendo sua potencialidade criadora em face da natureza e colocando seus produtos a serviço da própria humanidade. Quanto mais apta está a ciência a prolongar nossas vidas, mais a própria ciência, domesticada pelo capital, nos mata por meio de alimentos ultraprocessados cancerígenos e balas mortíferas de longo alcance. A sociabilidade burguesa provoca também uma epidemia de angústia e depressão, levando ao paroxismo a “solidão em massa” certa feita apontada por Marx.

Destarte, se o capital segue se alimentando do sobretrabalho alheio, a obra de Marx continuará inspirando aqueles que sabem que só uma teoria voltada para a transformação prática e uma prática embasada teoricamente – isto é, uma práxis – pode nos permitir superar a exploração do homem pelo homem. Assim, o presente edital da edição número 41 da Revista Em Pauta: teoria social e realidade contemporânea, ao lançar o eixo temático 200 anos de Karl Marx: seu legado teórico e político, conclama à submissão de artigos de distintas áreas disciplinares que, partindo do referido legado, dialoguem com o mesmo a partir de questões e temas contemporâneos que desafiam a atualização histórica da obra de Marx, e problematizem sobre diferentes dimensões, contradições e práticas de uma sociabilidade vertebrada pelo capital e os desafios históricos e políticos de construção de uma nova sociabilidade emancipadora.

Equipe Editorial

 

PRAZO PARA SUBMISSÃO DE ARTIGOS: até 31 de março de 2018.

 

ISSUE 41 — 1st semester of 2018 – Volume 16

THEMATIC DOSSIER: Karl Marx’s 200th anniversary: his legacy in theory and politics

 

SUMMARY

 

A ghost haunts Brazil, the ghost of Karl Marx. Immersed in a conservative wave, the country witnesses the growth of ultra-liberal and fascist forces with their violent anti-communist hysteria. Here and around the globe, the capital still loses sleep over Marx and reactionaries’ souls are still tormented by him, who was born almost two hundred years ago (1818). In addition to delusional fanaticisms, the constant threat of his thinking is due to the constancy of capitalism itself. The continuity of bourgeois society carries with it the permanence of his work, since he devoted his whole life to the scientific investigation – turned to praxis, i.e., for a conscious and transforming activity, it is necessary to emphasize – of precisely bourgeois society itself. Decrepit but resilient, imperialist capitalism strives on in its mercantile rage, turning everything on Earth venal, including bodies, tastes, water and, of course, the earth itself. Blindly pursuing the valorization of value and safeguarding the dogma of private property, the irrationality of capital stops human cooperation from assuming a humanistic rationality, developing its creative potential in the face of nature and putting its production at the service of humanity itself. The more science is apt to prolong our lives, the more science itself, dominated by capital, kills us through ultraprocessed carcinogenic foods and deadly long-range bullets. Bourgeois sociability also causes an epidemic of anguish and depression, leading to the paroxysm of the “mass solitude” Marx pointed out.

So if capital continues to feed on the overwork of others, Marx's work will continue to inspire those who know that only a theory focused on practical transformation and a practice based on theory – that is, a praxis – can enable us to overcome the exploitation of man by man. Thus, this announcement of issue 41 of the journal Em Pauta: teoria social e realidade contemporânea, presenting the theme of Karl Marx’s 200th anniversary: his legacy in theory and politics, calls for submissions from different areas that, with this legacy as the starting point, dialogue with it about contemporary issues and themes that challenge the historical actualization of Marx's work, and to question the different dimensions, contradictions, and practices of a sociability defined by capital and the historical and political challenges of building a new emancipating sociability.

Editorial Staff

 

DEADLINE FOR SUBMISSIONS: March 31, 2018


_____________________________________________


EDIÇÃO NÚMERO 42 —2º. semestre de 2018 – Volume 16

DOSSIÊ TEMÁTICO: Família e Políticas Sociais


EMENTA

Este número temático pretende discutir a família no contexto das políticas sociais contemporâneas, destacando os dilemas relacionados à sua responsabilidade na provisão de bem-estar social. Visa debater questões importantes que incluem as mudanças das e nas famílias, a relação com o trabalho e as formas de sua incorporação aos sistemas de proteção social. Busca apresentar resultados de investigações que problematizem as consequências atuais do “familismo” no campo dos serviços sociais e no interior das próprias famílias, tais como a reprodução das desigualdades de gênero e raça/etnia, o déficit de cuidados aos seus membros e as diversas expressões dos conflitos a ela inerentes. As famílias não são homogêneas em recursos, fases do ciclo de vida, formas culturais e nível de interação com o conjunto da legislação e das políticas sociais. Nesse sentido, trata-se de agregar, também, estudos que abordem o trabalho com famílias nas diversas políticas sociais. A natureza predominante dos debates suscitados é a ruptura com abordagens funcionalistas da família em favor de sua historicidade, inscrita no processo de reprodução das relações sociais. Nesse aspecto, é de interesse de diversas áreas de conhecimento e campos profissionais que buscam a produção intelectual do Serviço Social como fonte importante para o trabalho com famílias em sua articulação com as políticas sociais.

Equipe Editorial

 

PRAZO PARA SUBMISSÃO DE ARTIGOS: 01 de abril de 2018 a 30 de junho de 2018.

 

ISSUE 42 — 2nd semester of 2018 – Volume 16

THEMATIC DOSSIER: The Family and Social Policies

 

SUMMARY

 

This issue intends to discuss the family in the context of contemporary social policies, highlighting the dilemmas related to their responsibility in the provision of social welfare. It aims to discuss important issues that include changes of and in families, the relationship with work, and ways of incorporating them into social welfare systems. It seeks to present research results that problematize the current consequences of “familism” in the field of social work and within families, such as the reproduction of gender and race/ethnicity inequalities, the lack of care for its members, and the different expressions of conflicts inherent to it. Families are not homogeneous in resources, stages of the life cycle, cultural forms, and level of interaction with the whole of legislation and social policies. In this sense, it is also necessary to add studies that address working with families in various social policies. The predominant nature of the debates raised is the rupture with functionalist approaches to family in favor of its historicity, inscribed in the process of reproduction of social relations. In this regard, it is of interest to several areas of knowledge and professional fields that seek the intellectual production of Social Work as an important source for working with families in their articulation with social policies.

Editorial Staff


DEADLINE FOR SUBMISSIONS: April 1, 2018 to June 30, 2018

 

_______________________________________________

 

EDIÇÃO NÚMERO 40 — 2º. semestre de 2017 – Volume 15

DOSSIÊ TEMÁTICO: O SERVIÇO SOCIAL NA HISTÓRIA

 

EMENTA

O tema “O Serviço Social na História”, eixo do dossiê temático da edição número 40 da Revista Em Pauta. Teoria Social e Realidade Contemporânea, convoca a autoria de artigos que, partindo dos desafios contemporâneos do Serviço Social, versem sobre a relação entre as diferentes temporalidades da trajetória da profissão no Brasil e em outras escalas espaciais do Serviço Social, e as distintas temporalidades da vida social, sob a ordem do capital, nas respectivas formações sociais. Interessa estimular a publicação de conteúdos que problematizem a profissão a partir do desafio metodológico de Walter Benjamim de se escovar a história a contrapelo, partindo-se do tempo presente, para, então, desnudar o que ainda está invisibilizado, subordinado pela narrativa histórica das classes dominantes. Da mesma forma, o eixo temático proposto visa estimular o exercício de revisitar a própria história já narrada e sistematizada teoricamente pela profissão. Assim, o presente edital estimula artigos advindos de resultados de pesquisas sobre a memória e a história da profissão, ensaios sobre conteúdos analíticos que se debrucem sobre diferentes mediações da relação desigual e combinada entre as características de simultaneidade e sucessão dos tempos passado, presente e futuro da história do Serviço Social e sua articulação dialética com a transformação da sociedade burguesa e sua dinâmica de produção e reprodução das relações sociais.

Equipe Editorial

 

PRAZO PARA ENTREGA DE ARTIGOS: até 31 de agosto de 2017.

 

__________________________________________________

COMUNICAMOS QUE AS NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA FORAM REFORMULADAS. PARA ACESSÁ-LAS CLIQUE NESTE LINK.

 

 

Indexação

DOAJ - Directory of Open Access Journals

LATINDEX - Sistema Regional de Informação em Linha para Revistas Científicas da América Latina, Caribe, Espanha e Portugal – <http://www.latindex.unam.mx>

Portal de Periódicos da CAPES

Sumários de Revistas Brasileiras (Sumário.org) – <http://www.sumarios.org>

 

Formulários para submissão

Baixe os formulários necessários para submissão de material através de seus respectivos links.

1) Declaração de Responsabilidade

2) Transferência de Direitos Autorais

3) Ficha de registro

 



ISSN: 2238-3786